As minhas princesas

Lilypie Kids Birthday tickers

quinta-feira, 28 de agosto de 2008

Recordando... 28 de Julho de 2008

1 mês...
1 mês maravilhoso, de descobertas e de um amor infinito...
Agradeço a Deus todos os dias por me ter concedido o dom de ser mãe, por me ter dado o melhor da vida, a minha princesa mais linda!
28 de Julho de 2008, 2ª feira
Gravidez de 40 semanas e 3 dias... acordei cedo e fui fazer panquecas para o pequeno-almoço. Estava muito ansiosa, mas também nervosa. Era o dia em que ia conhecer a coisinha linda que andava na minha barriguita.
Às 8:30h saímos de casa, com a mala e câmara de filmar. Parámos numa estação de serviço para meter gasóleo e comprar jornais e revistas. Às 9:09h estavamos a entrar na maternidade. Quando me chamaram, estremeci e o meu marido perguntou se também entrava. Disse-lhe para esperar, que depois o chamavam. A médica mandou-me aguardar e o tempo parecia que não passava. Quando finalmente entrei para o gabinete, observou-me e falou acerca da indução do parto. Concordei com tudo, o que queria era ter a minha menina nos braços... às 10:40h, colocou-me metade de um comprimido na vagina e vesti uma bata enorme do hospital. Assinei os papéis, conforme concordava com a indução e mandaram chamar o meu marido. Quando chegou com a mala, rimo-nos do meu aspecto: a bata era mesmo enorme. Fomos com uma auxiliar para a parte das salas de parto. Ele também vestiu uma bata e tirámos da mala a 1ª roupinha da minha bebé. Fomos para o quarto n.º 8, o último, às 11.30h. A maternidade andava em obras e era insuportável o barulho dos berbequins e dos martelos, mesmo ao lado do quarto. Tirámos fotografias a nós, ao sítio onde iam colocar a nossa menina e pusémo-nos a ler revistas. De vez em quando entravam enfermeiros e médicos, mas eu não tinha dores. Colocaram-me os fios para o registo e soro. Eu estava preocupada com a minha mãe, que estava à espera na sala. De vez em quando o meu marido ia-lhe dando notícias. Depois de ele ter ido almoçar, dormimos: eu na cama, ele no cadeirão. À tarde, mudaram-me de quarto, por causa do barulho, para o n.º 1. Eu tinha muita fome e 2 enfermeiros espectaculares, que me apoiaram em tudo e estiveram sempre presentes. Disse a um deles que não suportava a fome e ele foi buscar 1 rebuçado. Às 17:30h, a médica rebenta-me as águas; tinha apenas 1,5 cm de dilatação e nada de dores. Às 18h:15h, levei a epidural. Molhei a cama toda, estava sempre a sair água... às 22h, ainda sem sinais de dores, o enfermeiro estimulou-me a dilatação, com uma mão e soro dentro da vagina. Fiquei com 9cm. Comecei a ter uma vontade muito fraquinha de puxar. O qurto encheu-se de gentee montaram o trapézio. Diziam-me para puxar quando a vontade viesse. Puxava com todas as forças e nada. Comecei a desesperar, descontrolei-me, dizia que não era capaz e chorava. Diziam-me para me acalmar, que assim não estava a ajudar. Tinha muito calor, o meu marido molhava-me a cara e os lábios com comprenssas. Ouvia-os falar, a bebé não estava com a cabeça encaixada. Colocaram-me a ventosa e eu puxava, puxava muito... quando abria os olhos perguntava se já tinha nascido. Às 23:05h, nasce.

2 comentários:

Mia disse...

PARABÉNS MAMÃ E PRINCESA...ao ler o vosso post veio à memória como se tivesse sido hoje o dia em que o Martim veio para o nosso colinho...:))))

Bjs grds**********************

Sofia, Pedro e Joana disse...

Olá querida mamã, que bom recordar estes momentos inesqueciveis!
Beijinhos,Sofia,Pedro e Joana